07 novembro 2008

CANTORES DE SUCESSOS QUE A POEIRA DO TEMPO ESTÁ APAGANDO

A NOSSA BOA E VELHA MÚSICA POPULAR

O título pode parecer ofensivo, mas a idéia não tem nada de ofensa, pelo contrário, é com intuito de reafirmar a trajetória desses ídolos da canção popular, que relaciono no mesmo texto, as trajetórias distintas, mas que guardam em comum, o megasucesso que já fizeram na história recente da música popular do Brasil. Hoje todo mundo conhece Zeca Pagodinho, Belo, Seu Jorge, Lenine, cantores que estão sempre na mídia divulgando seus trabalhos, mas amanha, será que alguém vai lembrar-se de Seu Jorge? Como se não bastasse o descaso dos historiadores e pesquisadores, o pouco espaço na mídia (abro aqui uma exceção para bradar sobre o sucesso que tem sido meu novo blog no site do jornal Extra http://extra.globo.com/blogs/musicapopular/ , e que o amigo blogueiro não pode deixar de ler e recomendar) os arremessa para mais distantes ainda do público. Cantores que já venderam milhões de discos, hoje vivem praticamente esquecidos por falta de interesse da grande mídia em informar ao público sobre o paradeiro de cada. Apesar dos shows que fazem pelo país inteiro, do carinho dos fãs, esses artistas, nem de longe, ocupam os espaços que por direito são seus.
Você se lembra do grande astro Roberto Muller, intérprete dos boleros da gravadora CBS? Se ainda lembra, tudo bem, pois saiba que muitos não conhecem e poucos sabem do prestígio que o cantor dispunha no mercado fonográfico brasileiro. Para alguns, Muller é apenas um cantor “brega” que se entregou de vez ao mau gosto.


ROBERTO MULLER


Para quem conhece Roberto Muller apenas como cantor de dor-de-cotovelo, se surpreenderá com o prestígio que o jovem cantante detinha por parte das gravadoras. Estrela da CBS nos anos 60, conhecido e admirado no meio artístico como o “Pingo de Ouro”, Roberto foi um dos maiores expoentes do bolero no Brasil. Othon Russo (nome importante do mundo fonográfico, autor de vários sucessos) escreveu na contracapa do LP “Perdoada”, de 1966, o que exemplifica bem o início da trajetória do cantor: “(...) Roberto Muller, rapaz sentimental, dono de uma estrela como poucos, soube ainda desta vez escolher, e bem, o repertório do seu disco. Somos rigorosos em nossos julgamentos _e por isso mesmo ouvimos com bastante atenção faixa por faixa deste disco. É todo bom para os apreciadores do “bolero”. Para aqueles que gostam e precisam espraiar suas mágoas amorosas através da música. Recomendamos a você, discófilo amigo, este “PERDOADA”.

WANDERLEY CARDOSO


Se você acha que sucesso é aquilo que o NX Zero faz com a meninada, você não sabe mesmo o que é fazer sucesso. Imagina um Brasil sem internet, telefone celular e pobreza total de satélites, há 40 anos. Imaginou? Pois bem, a fama do Wanderley Cardoso passou por cima de todas essas dificuldades e fez dele o mais famoso dentre os artistas da sua geração. Ator de cinema, teatro e televisão, o cantor Wanderley Cardoso, ao lado de Roberto Carlos, tem um dos nomes mais fortes do cenário musical dos anos 70. Sua trajetória é longa, se perde no meio da história da música popular brasileira. Nos tempos da Jovem Guarda, ficou conhecido como ‘o bom rapaz’, devido ao estrondoso sucesso que fez com a música “O Bom Rapaz”, de Geraldo Nunes, gravada em 1967. O disco já vendeu mais de cinco milhões de cópias e deu ao cantor, projeção de astro nacional e internacional. “O Bom Rapaz” foi gravada em italiano e espanhol.
Nasceu no bairro do Belenzinho, em São Paulo, no dia 10 de março de 1945. Ainda menino conseguiu seu primeiro sucesso em disco, com a gravação da música A Canção do Jornaleiro. Até ao presente momento gravou mais de 900 músicas e em toda a carreira já vendeu mais de 17 milhões de cópias dos seus 85 discos gravados. Contudo, hoje só é lembrado pela mídia (menor em qualidade) para contar seu dramático testemunho e cantar o sucesso O Bom Rapaz. Quer saber mais sobre o significado de fama? Pergunte ao Wanderley Cardoso, mas antes, não se esqueça de pesquisar um pouco sobre a longa história do cantor. Nada, é o que todas as gravadoras fizeram pelo astro. Uma caixa, contendo os melhores discos da carreira, seria no mínimo um carinho com Wanderley.

JOSÉ ROBERTO



Assim como Wanderley, em proporção infinitamente menor, José Roberto foi um galã cantor, que emplacou vários sucessos nas paradas. Hoje, pergunto: você ouviu o último sucesso do José Roberto? Nem eu. Sabe sobre seu último show? Nem eu.
José Roberto iniciou a carreira em 1967, ano em que saiu de Salvador, sua terra natal. Ano também, em que a jovem guarda ditava o sucesso musical no país. Com gravações pouco expressivas dessa época, somente no início da década de 70, é que o cantor ganha popularidade nacional com hit de 71, “Resolvi Não Te Deixar”, de Sérgio Reis (Vou confessar lhe quero bem / O meu amor ainda é seu / Se eu partir / Se eu não ficar / Então sou eu que vou chorar / Então sou eu que vou chorar...). Bem ao estilo jovem guarda, a gravação pode confundir alguns pela semelhança com a voz e o estilo de Jerry Adriani. Ainda em 71, José Roberto emplacou outro sucesso, uma composição do “rei” do iê-iê-iê, que agradaria ao público e reforçaria a sua popularidade, “Tenho Um Amor Melhor Que o Seu”, de Roberto Carlos, provava o efeito (estilo) e a força, que a jovem guarda manteria nos primeiros anos da década de 70. A letra da música mantinha o romantismo e os acordes característicos que havia marcado a última metade da década de 60. Todo amor que eu lhe dei / Você nem ligou / Todo bem que eu lhe fiz / Você se esqueceu / Você não vai ter alguém melhor do que eu / Mas eu já tenho um amor melhor que o seu...
José Roberto mora no Rio de Janeiro e continua cantando. Na sua carreira, gravou 27 discos e fez shows por todo o Brasil e em países da América Latina. Pergunte a Sony Music pelos discos do José Roberto, do tempo da CBS.
LINDOMAR CASTILHO



Em 1970, aos 31 anos de idade, Lindomar Castilho iniciou na gravadora RCA, uma das trajetórias mais brilhante jamais obtida dentre os cantores da música popular do seu tempo. Produzido por Osmar Navarro, o primeiro disco gravado na RCA Victor já entrou no mercado decidido a ser um dos mais vendidos do ano. A música Pureza, composição de Osmar Navarro, puxou as demais faixas do disco. No mesmo disco Lindomar incluiu a música Aleluia, de autoria própria e que marca sua estréia como compositor. Lindomar ao longo da década de 70, com o parceiro compositor Ronaldo Adriano, chegou ao topo das paradas com grandes sucessos de execução e vendagem, mas foi com o LP “Lindomar Castilho – Eu Vou Rifar Meu Coração”, de 1973, que Lindomar deu o maior salto da carreira, deixando de ser mais um cantor brasileiro para se tornar também, um dos grandes representantes da música brasileira no mercado internacional. Eu Vou Rifar Meu Coração (Lindomar Castilho e Letinho) é sem dúvidas, o maior hit do cantor naquele ano. No LP constam composições próprias, de Waldick Soriano (Vestida de Branco, tema do filme Paixão de Um Homem), Tony Damito (Felicidade Não Se Compra Com Dinheiro, em parceria com José W. Costa), Marcos Pitter (Coração Vagabundo), Pepe Ávila (O Lixo), Clayton (Eu Amo Sua Mãe, onde ele canta para a filha e não para a esposa) e outros.
A gravadora RCA proporcionou uma gravação do disco em espanhol com Lindomar Castilho, a partir da gravação, Lindomar faz sucesso em mais de 50 países, chegando a ponto de Eu Vou Rifar Meu Coração, receber somente no México, mais de 50 gravações entre 1973 e 74. Na semana em que foi lançado no México o compacto simples Voy a Rifar Mi Corazón, Lindomar vendeu 78 mil cópias, quantia invejável e difícil de ser superada até por grandes vultos da canção dos países latino-americanos. No Brasil não foi diferente, a música tocou além da conta e o disco consta dentre os mais vendidos no Brasil, principalmente no norte e nordeste, onde está concentrada a maior parte dos fãs de Lindomar. Em 1974, o LP Eu Canto O Que O Povo Quer, também ganhou versão em espanhol e mais uma vez foi sucesso absoluto de vendagem e execução, tanto no Brasil quanto no mercado latino dos Estados Unidos. O hit em destaque foi Você É Doida Demais*, em parceria com Ronaldo Adriano, que assina seis, das doze músicas inseridas no disco. Você É Doida Demais tão logo foi tocada nas rádios, agradou ao gosto popular e estourou nacionalmente nas paradas do rádio. Dada a popularidade de Lindomar no mercado latino, conquistada pelo sucesso do disco anterior, o LP Eres Loca de Verdad foi lançado nos Estados Unidos em meio à grande alvoroço nas esferas comerciais. Segundo a RCA, foi necessária uma importação de álbuns do México, para reposição imediata, em função do alto número de pedidos conseguidos em todo o território americano, muitas vezes maior que os LP’s que havia em estoque.

Como se não bastasse ser lembrado apenas pela terrível tragédia (eu me recuso a comentar sobre isso, pois ele já pagou o que devia a justiça), suas músicas caíram em desuso, dado ao esquecimento por parte do pessoal do rádio. Mas se o leitor pegar um ônibus para andar pelo interior do Brasil vai saber quem é Lindomar Castilho e o que ele faz de melhor. Pergunte ao seu pai, quem é Lindomar Castilho.

Leia uma crítica feita por Ronaldo Bôscoli sobre o LP O Incomparável Lindomar Castilho Vol. 2
Gravadora: RCA – 1979
“Estamos aí diante de outro grande fenômeno no universo da música brasileira. Este rapaz risinho _e não é pra menos_ é um dos maiores vendedores de discos do Brasil. Dá-se ao luxo de esgotar um “Incomparável n°1” e parte para o segundo, com as mesmas perspectivas de êxito. “Estou Perdendo a Cabeça Por Você”, “Ladrão de Amor”, “Mal-Amada” e coisas que tais. Para quem curte esse gênero de dor-de-cotovelo tipo brabeza, ele é um intérprete acima do razoável. Seu comportamento é coerente, e naturalmente o trabalho de cada disco que realiza é calcado em pesquisas anteriores. José Paulo Soares, Portinho e Pepe D’Ávila são os arranjadores deste LP".
Ronaldo Bôscoli

* Temos que reconhecer que a TV Globo deu uma grande força a Lindomar Castilho, quando inseriu na trilha sonora do programa Os Normais a música Você é Doida Demais.


NILTON CESAR



Em 1969 as rádios tocavam incessantemente a canção “Férias na Índia”, a música foi sucesso total, vendeu mais de 500 mil cópias e rendeu discos de ouro e outros prêmios. Seu intérprete, o mineiro Nilton César, que passou a ser da noite para o dia um dos maiores cantores do Brasil. Era comum para Nilton, fazer aparições semanais na tevê, cantando suas músicas ou participando como celebridade. A boa imagem de galã arrebatava os corações das fãs que se mantiveram em torno do artista durante a década de 70. O cantor consagrado pelo sucesso da música Férias na Índia passou pela década de 70 desfilando com músicas que o Brasil cantava junto. Em 1973, a música “Amor... Amor... Amor...” do LP (RCA) com o mesmo nome, fez muitos casais de namorados se casarem, para juntinhos ouvirem o LP do cantor com as músicas Felicidade, Topo Tudo, Te Quero Neste Entardecer, Esta É Primeira Vez, Quem Ama Sabe, Hoje Mais Que Ontem, Muito Eu Chorei e outras músicas.
Nilton César gravou seis LP’s em espanhol e atualmente faz muitos shows no exterior, se apresentando para brasileiros que moram em outros países. Quando a poeira da fama abaixou, Nilton construiu sua família e montou um negócio. É bem sucedido como empresário e mesmo viajando muito, divide com os dois filhos, a administração dos negócios.

Indignado, eu pergunto novamente ao leitor: por que que eu tenho que comprar as horríveis coletâneas, se Nilton Cesar gravou dezenas de lps? Nilton Cesar merece respeito como artista, afinal o Brasil foi sustentado pela música popular que esses artistas cantavam e vendiam muito. Falta um representante político competente, que não repita o que Gilberto Gil cometeu (não fez nada de relevante pela classe, até porque ele não precisa, pois é um dos maiores beneficiados com direitos autorais) que barre o descaso comum com a obra intelectual no Brasil. As gravadoras deveriam ser obrigadas a relançar com atenção, as obras dos artistas que mais venderam discos no Brasil, e Nilton César é um deles.

GILLIARD


Para não dizer que eu citei apenas artistas dos anos 60 e 70, vou incluir um nome conhecido nacionalmente, que ainda faz sucesso entre o povo que teve contato com sua obra no final de 79 e começo de 1980, seu nome é Gilliard e sua obra fala por si, mas como a obra não tem espaço para falar, eu falo por ela aqui no blog. Gilliard teve músicas incluídas em discos de trilhas sonoras de novelas da TV Globo (Plumas & Paetês, Água Viva, Pão Pão Beijo Beijo, Final Feliz, Partido Alto, Champagne e Cambalacho), acrescentando mais popularidade à carreira, e favorecendo apresentações em programas da emissora. Contudo, o carisma foi seu maior aliado na carreira, pois além de ser querido no Brasil, é amado em outros países como Argentina, Paraguai, Colômbia, Portugal e Milão. Tudo por conta da música Aquela Nuvem, que fez grande sucesso nos países citados. Devido ao sucesso que fez nos anos oitenta, Gilliard viu seu nome sendo homenageado pelos fãs que registraram seus filhos com o nome do ídolo nos cartórios brasileiros. Mas não é desse tipo de reconhecimento que um artista precisa, ele precisa de apoio e no mínimo, espaço para divulgar sua obra.

Gilliard tem um trabalho competente, esquecido na poeira dos anos 80, perdido entre as obras que merecem desprezo, produzidas no mesmo período. Quero comprar uma caixa de CDs do Gilliard, mas não ha no mercado, tal produto. Dai, todo mundo sabe o que eu vou fazer, sacou?

5 comentários:

Anônimo disse...

Oi Josué,parabéns, por esta magnífica página,dedicada a estes históricos cantores,que outrora,encantaram milhares de corações apaixonados,realmente,voçê tem razão,estas gravadoras,deveriam,ainda que por gratidão ou obrigação,relançá-los no mercado fonográfico,com as famosas caixas (box-set),por preços mais atrativos,seria uma forma delas - as gravadoras - agradecerem,pelas fortunas que lucraram,com as vendas de milhares de lp´s destes esquecidos artistas.
Ainda bem,que,guardo e conservo,estas verdadeiras relíquias,como por exemplo,o primeiro lp do nosso querido Gilliard "Qeria Estar Perto De Você",lançado no longìnquo 1974,pela extinta Tapecar,aliás,pra quem interessar possa,no site Mercado Livre,esta preciosidade pode ser encontrada,o prêço é que não é nada atrativo (R$100,00),é mole ?? Um abraço amigão !

Anônimo disse...

parabens pelo blog...
Na musica country VIRGINIA DE MAURO a LULLY de BETO CARRERO vem fazendo o maior sucesso com seu CD MUNDO ENCANTADO em homenagem ao Parque Temático em PENHA/SC. Asssistam no YOUTUBE sessão TRAPINHASTUBE, musicas como: CAVALEIRO DA VITÓRIA, MEU PADRINHO BETO CARRERO, ENTRE OUTRAS...
é o sonho eterno de BETO CARRERO e a mão de DEUS.

Anônimo disse...

Nossa amei ler as materias e saber que tem alguem que ama musica como eu tenho meu sogro com 95 anos que ficou maravilhado quando disse o que vi . como não pode mas Lê escuta as minhas leituras para ele . agradeço muitooooooooo por nos dar a oportunidade de ve-lo interagindo conosco atraves da musica e voce. Deus te abençoe ricamente.

bobi lima disse...

olá amigos lembro de uma frase que diz mais ou menos assim. porque você disse que ia me bater isso eu não digo sou campeão de karatêr. gostaria saber se vocês sabem que canta e se poderiam posta pra mim esta canção obrigado a todos.

Wal Felix disse...

caramba, não tinha visto u blog antes igual a esse, detalhado, bem direcionado com as musicas de antes com as poluições sonoras que temos hoje, sempre quero estar informado com suas novas publicações.
MEU PARABENS.

Relembre a estreia de Ricardo Braga e a opiniäo de Roberto Carlos em 28/05/1978

A estreia da cantora Katia em 1978 cantando Tão So

Mate a saudade de Nara Leao cantando Além do Horizonte em 1978

1 em cada 5 Brasileiro preferia o THE FEVERS 26/11/1978

Elizangela canta Pertinho de Você no Fantástico em 1978

Glória Pires e Lauro Corona cantam Joao e Maria

CLA BRASIL E MARINÊS

DOCUMENTÁRIO SOBRE EVALDO BRAGA / 3 PARTES - ASSISTA NA ÍNTEGRA

Web Counters
PopularContacts.com

http://